Diversidade em TI: por que a inclusão de minorias é tão importante para o setor

Falar sobre diversidade e inclusão no ambiente de trabalho é cada vez mais urgente à medida que a sociedade muda e pede por mais direitos e reconhecimento. A diversidade em TI ainda tem um longo caminho pela frente, mas desde já é possível realizar mudanças que afetam todo o ecossistema empresarial – e a sociedade como um todo. 

Não é mais possível abordar a diversidade como sendo apenas uma questão de gênero. 

Ainda falta muito para obtermos êxito quando o assunto é a presença equivalente de homens e mulheres na área de TI, mas quando falamos de diversidade estamos incluindo nessa conta diversas minorias que tradicionalmente ficam de fora das discussões. 

Diversidade é mais do que igualdade de gênero 

Ainda falta muito para termos igualdade de gênero no Brasil: segundo o Relatório Mundial sobre a Desigualdade de Gênero 2020 publicado pelo Fórum Econômico Mundial, o Brasil é um dos países mais desiguais da América Latina (ocupando o 92º lugar entre 153 países).

Seriam necessários mais de 59 anos para eliminar a diferença de gênero no Brasil, sendo que a desigualdade econômica entre homens e mulheres pode demorar 257 anos para deixar de existir. 

Mas desigualdade de gênero não é apenas sobre homens e mulheres ocupando os mesmos espaços de forma igual. 

A diferença salarial entre os gêneros é gritante e fica ainda pior quando analisamos os números comparando a diferença entre pessoas brancas e não brancas: em 2018, homens brancos ganhavam, em média, 73,9% a mais do que homens pretos ou pardos que, por sua vez, recebiam 27,1% a mais que as mulheres, segundo a pesquisa Síntese de Indicadores Sociais – Uma análise das condições da vida da população brasileira 2019 divulgado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Quando o assunto é tecnologia, as mulheres representam apenas 20% de todos os profissionais da área no Brasil, sendo que elas não estão presentes em 21% das empresas brasileiras de TI, indica a Brasscom (Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação).

Mesmo com dados tão preocupantes, o termo “diversidade” engloba muito mais do que a desigualdade de gênero, como você verá mais à diante.

O mercado de TI hoje 

A área de tecnologia da informação é uma das mais tradicionais em termos de contratação. 

Estamos falando de um mercado composto majoritariamente por homens brancos vindos da classe média/alta. 

E se entre as principais funções do profissional de TI está o desenvolvimento de ferramentas e sistemas, temos muitas pessoas criando produtos a partir de uma mesma visão – e isso é problemático. 

Se o objetivo da tecnologia é a resolução de problemas, por que não começar mudando a própria estrutura?

Diversidade em TI: o que o mercado precisa 

Para alterar a realidade é preciso agir na estrutura: as contratações em TI devem ser mais abrangentes visando a inclusão de pessoas de diferentes gerações, culturas e realidades socioeconômicas na equipe. Foto: Nappy

A maneira mais eficiente de mudar a estrutura de uma empresa é por meio de novas contratações. 

Se a área de TI é composta por homens brancos de uma mesma faixa etária com um mesmo background isso significa que os recrutadores estão olhando apenas para esse grupo. 

Mas se nossa sociedade é diversa então precisamos dessa representatividade no mercado de trabalho. Para os recrutadores de TI é possível começar aumentando o horizonte e olhando para grupos minoritários como: 

  • Pessoas não brancas 
  • Pessoas com deficiência (PCD)
  • Indígenas
  • LGBTQIA+ (gays, travestis, mulheres e homens trans, etc.)

Além disso, é necessário olhar além das grandes cidades e centros comerciais e trazer para a equipe pessoas de diferentes gerações, culturas e realidades socioeconômicas. 

Vantagens da diversidade em TI 

As demandas que vêm das ruas são um ótimo termômetro para acompanhar as mudanças da sociedade: os protestos recentes do Black Lives Matter deram o tom da urgência em temas como violência policial, desigualdade racial e justiça social. Foto: Nappy

Ter cada vez mais pessoas diferentes na equipe é contribuir para a evolução da sociedade como um todo. Temas como igualdade de gênero, desigualdade racial e justiça social são demandas mundiais e contínuas que não vão desaparecer. 

Cabe às empresas e aos recrutadores de TI olhar para essas necessidades com mais afinco e responsabilidade, trabalhando para realmente tirar essas ideias do papel. 

Medidas simples que fazem toda diferença  

É possível começar com medidas simples que podem fazer toda a diferença para a saúde física e emocional do trabalhador, tais como: 

  • Investir em cadeiras e mesas reguláveis 
  • Banheiros adaptados para PCDs e de gênero neutro 
  • Corredores largos e móveis distribuídos de forma espaçada para evitar barreiras e obstáculos
  • Rampas e elevadores com sinalização especial
  • Incentivar o respeito à diversidade entre os colegas 

Uma equipe diversa alinhada aos propósitos e valores da empresa trabalha mais feliz e motivada, o que impacta diretamente nos resultados. 

Se você é da área de TI o que está esperando para investir na diversidade na sua empresa?