Programador: conheça o salário base desse profissional

Profissões ligadas à tecnologia da informação estão em alta no Brasil: sobram vagas e há falta de profissionais qualificados para preenchê-las. Para quem pretende se inserir nesse mercado, conhecer o salário base do programador e os requisitos que estão por trás do cargo é o primeiro passo para disputar uma vaga. 

Assim como em todas as profissões, o salário do profissional da programação também depende da formação e dos anos de experiência no mercado. 

Neste artigo você vai conhecer os requisitos básicos para começar a trabalhar na área e quais os diferentes níveis de atuação do programador. Vamos lá? 

Entenda o que faz o programador 

Antes de conhecer o salário base do programador é preciso entender o que esse profissional faz. 

Se você está lendo esse texto pelo celular, tablet ou computador saiba que isso só é possível por causa do profissional da programação. Inclusive, praticamente tudo o que fazemos no mundo digital depende da tecnologia da informação. 

O programador é o profissional responsável por escrever códigos que dão origem a sistemas e programas para diferentes plataformas. Ele pode criar desde sistemas operacionais de empresas até aplicativos e games. 

Praticamente tudo depende de um programador para funcionar ou até mesmo existir, principalmente as coisas que fazemos no nosso dia a dia, como: 

– Consultar conta bancária por meio de apps

– Assistir séries, filmes e ouvir música em de serviços de streaming 

– Fazer comprar pela internet 

– Conversar por aplicativo de mensagens 

Mercado aquecido 


Necessário em qualquer empresa, o programador pode trabalhar no desenvolvimento de sistemas operacionais, sites, apps, videogames, etc. Foto: Pixabay

Para se ter uma ideia do quanto esse profissional é necessário em nossas vidas basta fazer um simples exercício: de todas as atividades que você faz no dia, quantas dependem da internet para serem executadas? 

A resposta para essa pergunta provavelmente será “muitas”, e não é à toa: a demanda por serviços de TI está em alta e muito disso se deve à pandemia do novo coronavírus. 

Por conta de medidas de isolamento e distanciamento social, passamos mais tempo em casa e, consequentemente, dependemos cada vez mais de serviços digitais. Sem um programador para desenvolver, atualizar e otimizar esses serviços nada disso seria possível. 

Tanto é que a procura por esses profissionais aumentou 1,18% durante a pandemia (cerca de 14 mil postos de trabalho), segundo a Brasscom (Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação). 

De acordo com o Novo Caged (Novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), o setor de Informação e Comunicação registrou 38.298 admissões em outubro de 2020, sendo que 263.252 admissões foram registradas no Brasil até o mesmo período do ano passado. 

Mas a tecnologia da informação também apresenta números positivos apesar da pandemia: anualmente, o segmento oferece 1,56 milhão de vagas além de movimentar R$494 milhões, representando 6,8% do PIB (Produto Interno Bruto) nacional. 

Há vagas, mas faltam profissionais 

A demanda por profissionais de TI é alta, mas ao mesmo tempo que existem vagas sobrando, o déficit de mão de obra qualificada é uma realidade já conhecida pelo setor. 

Até 2024, a expectativa é que o mercado vá precisar de 24 mil funcionários por ano. 

Se você está pensando em se tornar programador, conheça as principais áreas de formação, atuação e o salário base desse profissional a seguir. 

Áreas de formação mais cursadas por profissionais da área  

Profissionais da tecnologia da informação podem ter diferentes formações acadêmicas, como: 

– Análise e Desenvolvimento de Sistemas

– Ciências da computação

– Engenharia da computação 

– Engenharia de Controle e Automação

– Engenharia de software

– Informática

– Jogos Digitais

– Sistemas de Informação

– Sistemas para Internet

Além disso, o programador pode atuar em diferentes frente como analista de sistemas, desenvolvedor de softwares, sistemas operacionais, aplicativos, sites, videogames, entre outros. 

Salário base do programador: quanto ganha esse profissional de TI? 

O salário do programador depende de sua experiência profissional e seus conhecimentos na área. Foto: Pixabay

Assim como em outras áreas, o salário base do programador vai depender da sua experiência profissional e do seu nível de atuação. Isso significa que o profissional júnior vai ganhar bem menos do que o programador sênior. 

Confira a seguir os diferentes níveis de atuação do programador e seus respectivos salários. 

  • Júnior 

O programador júnior é aquele que saiu recentemente da faculdade e ainda não possui experiência na área. Por isso, seu salário será de iniciante e relativamente menor do que os outros níveis de experiência. 

Salário do programador júnior: entre R$1600 e R$2 mil reais, mas o valor pode chegar a R$3 mil para mais. 

  • Médio/Pleno

O profissional médio, também conhecido como pleno, já possui experiência na área e consegue ganhar mais do que programadores iniciantes. 

Salário do programador médio/pleno: de R$3 mil a R$7 mil. 

  • Sênior 

O programador sênior é o mais experiente dos três níveis. É o profissional que atua na área há muitos anos e já possui uma experiência profissional mais completa. 

Salário do programador sênior: acima de R$7 mil. 

Quer contratar programador mas não sabe por onde começar?

Antes de contratar o profissional ideal é necessário definir o tipo de serviço que será prestado. 

Se estamos falando do desenvolvimento de um app de compras, por exemplo, talvez não seja necessário contratar um programador a longo prazo. 

Mas se você está em busca de um profissional que cuide do sistema operacional da empresa, então o ideal é escolher programadores mais experientes para resolver problemas de maneira rápida e eficiente e, de preferência, reter esse talento na equipe. 
Quer conhecer profissionais qualificados e fazer a diferença na rotina da sua empresa? Venha conhecer a  {Parças}™ , uma edtech que está fazendo a ponte  entre desenvolvedores da periferia e empresas que querem contratar e gerar impactos positivos na sociedade.